quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Uma lição!



Uma lição
Um famoso palestrante começou um seminário segurando uma nota de 20 dólares.
Numa sala, com 200 pessoas, ele perguntou:
– Quem quer esta nota de 20 dólares?”
Mãos começaram a se erguer. Ele disse:
– Eu darei esta nota a um de vocês, mas, primeiro, deixem-me fazer isto!
Então ele amassou a nota. E perguntou, outra vez:
– Quem ainda quer esta nota?
As mãos continuaram erguidas.
– Bom – ele disse – e se eu fizer isto?
E ele deixou a nota cair no chão e começou a pisá-la e esfregá-la. Depois pegou a nota, agora imunda e amassada, e perguntou:
– E agora? Quem ainda quer esta nota?
Todas as mãos permaneceram erguidas.
– Meus amigos, vocês todos devem aprender esta lição: Não importa o que eu faça com o dinheiro, vocês ainda irão querer esta cédula, porque ela não perde o valor. Ela ainda valerá 20 dólares.
Essa situação também se dá conosco. Muitas vezes, em nossas vidas, somos amassados, pisoteados e ficamos sujos, por decisões que tomamos e/ou pelas circunstâncias que vêm em nossos caminhos. E assim, ficamos nos sentindo desvalorizados, sem importância. Porém, creiam, não importa o que aconteceu ou o que acontecerá, jamais perderemos o nosso valor ante o Universo. Quer estejamos sujos, quer estejamos limpos, quer amassados ou inteiros, nada disso altera a importância que temos. A nossa valia. O preço de nossas vidas não é pelo que fazemos ou sabemos, mas pelo que SOMOS! Somos especiais….
VOCÊ é especial. Muito especial…. Jamais se esqueça disso!
*******
Fonte: Sabedoria Universal

terça-feira, 27 de outubro de 2015

As estações


As estações (autor desconhecido)
Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado, por isso, ele mandou cada um viajar para observar uma pereira que estava plantada em um distante local.
O primeiro filho foi lá no Inverno, o segundo na Primavera, o terceiro no Verão e o quarto e mais jovem, no Outono.
Quando todos eles retornaram, ele os reuniu e pediu que cada um descrevesse o que tinham visto.
O primeiro filho disse que a árvore era feia, torta e retorcida.
O segundo filho disse que ela era recoberta de botões verdes e cheia de promessas.
O terceiro filho discordou. Disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele tinha visto.
O último filho discordou de todos eles; ele disse que a árvore estava carregada e arqueada, cheia de frutas, vida e promessas…
O homem, então, explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore…
Ele falou que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação, e que a essência de quem eles são e o prazer, a alegria e o amor que vêm daquela vida, podem apenas ser medidos ao final, quando todas as estações estiverem completas.
Se você desistir quando for Inverno, você perderá a promessa da Primavera, a beleza do Verão, a expectativa do Outono.
Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras. Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.
Fonte: Sabedoria Universal

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

OS 3 REMÉDIOS

OS 3 REMÉDIOS (um conto oriental)

21/10/2012 12:20    Alguém veio a Abu Darda, um dos mais amados dos companheiros do Profeta, pedindo um conselho.
   Ele disse: "Oh, Abu Darda, me ajude. Tenho uma terrível doença  - a doença do amor por este mundo. Meu coração está escuro. Não vejo um sinal da luz de minhas orações e devoções. Não tenho alegria".
   Abu Darda respondeu. "De fato, esta doença é a maior de todas as doenças, e, se não for curada a tempo, pode causar a morte da tua fé. Eu te darei três remédios. Tome-os todos:
1)  Visite os doentes,
2)  Vá a funerais,
3)  Caminhe nos cemitérios.
   Se você fizer todas estas coisas freqüentemente, tua doença o deixará. Teu amor e apego a este mundo desaparecerá; teu coração será iluminado outra vez, e teu olho interior se abrirá".
   Aquela pessoa seguiu o conselho do santo, mas sua doença não o deixou. Ele veio queixar-se a Abu Darda.
   O santo lhe disse:
    - "Se você visitou os doentes como alguns médicos e enfermeiros fazem, acreditando que eles podem curá-los, e fazendo isso como uma parte de sua profissão e sustento, e se você vai a funerais como alguns religiosos fazem, julgando pelas flores e a multidão dos parentes, pensando no pagamento que eles receberão por seus serviços, e se você caminha nos cemitérios lendo as lápides glorificando as virtudes mundanas do morto, você não terá feito nenhuma das coisas que eu lhe disse para fazer. Quando visitar os doentes, veja-se a si mesmo em seu lugar ­ sofrendo, incapaz de comer e beber, próximo da morte, porque é isso que acontecerá com você mais cedo ou mais tarde. Aquilo é tudo o que existe em volta, tudo pelo que se luta. Converse com seu ego, e mostre-lhe que aquela criatura está agonizando sem ajuda e diga-lhe para prestar atenção, porque breve estará partindo, a caminho do seu fim, para deixar o amor do mundo.
    “Quando você for a funerais, imagine que está deitado naquele caixão, envolvido numa peça de roupa, nu como no dia em que nasceu. Todos seus bens, todo seu dinheiro, toda nossa fama, seu lar, sua esposa, seus filhos, tudo aquilo que você amou foi deixado para trás. Diga a seu ego que aquele fascinante caixão é um veículo que brevemente será erguido, que todo mundo tem e todo mundo terá. Todos aqueles bens que você acumulou com tanta dor e esforço, toda a reputação, o resultado de tanta coisa pretendida será desperdiçado. Mostre aquilo a nosso ego. Mostre-lhe como todos aqueles que pensaram amar o morto estão virando suas faces para longe dele, embora ele tenha deixado tudo para eles. Ele não pode trazer-lhes um copo de água ou um bocado de alimento. Ninguém sabe o que acontecerá a ele, nem mesmo ele. Pergunte a seu ego se está pronto.
   "Quando você for ao cemitério, olhe debaixo da terra sobre a qual você está pisando. Peles macias apodrecendo, simpáticas cabeças caindo de seus corpos, olhos formosos cheios de terra; aquelas línguas cantando como rouxinóis, tanto pela glória do mundo como pela glória do Criador, tendo se tornado comida para insetos. Todos seus atos errados tendo se tornado em feios monstros batendo neles. Quando você caminhar, pense nas cabeças daqueles reis que você está pisando, naquelas testas que eram usadas para coroas, e nos encantadores lábios nos quais os homens teriam dado suas vidas para tocar com seus lábios.
    Oh, ego, quando você irá acreditar, quando você terá o bastante das ilusões do mundo? Não vê o que acontecerá a você? Você também, muito breve - como "todo futuro é muito próximo" - será exatamente como aqueles. Você será deixado num buraco negro, que poderia ser um túmulo do inferno, face a face com os horríveis monstros de seus atos. Tire o mundo de dentro de seu coração. Seja puro em suas ações. Oh, ego, antes que caiamos dentro daquele túmulo escuro, antes que as serpentes e os insetos venham alimentar-se de nós, vamos juntos nos preparar".
  Aquela pessoa seguiu a receita de Abu Darda. Seu coração recebeu luz, seu olho interno se abriu, e ele, com gratidão, lembrou-se de seu professor, o médico do coração que reviveu seu coração morto.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Os 3 relatos de experiência de quase-morte mais intrigantes

Os 3 relatos de experiência de quase-morte mais intrigantes

Curiosidades | Mistérios | 3 de julho de 2015 por Heverton Paulo
Convenção de Vendas 2014 – Abertura – Palestra com Lars Grael , 13-02-14, fotos:Gilson Abreu
Em várias culturas e religiões, há registros de pessoas que estiveram à beira da morte (ou foram até dadas como mortas por alguns minutos) e que, após se recuperarem, relataram coisas que intrigam e chocam até os mais céticos dos cientistas. São as chamadas Experiências de quase-morte (EQM), um fenômeno em que, por alguns momentos, o indivíduo fica entre o mundo material e o espiritual, retornando ao seu corpo de origem logo depois.
Esse fenômeno ‘extra-corpóreo’ ocorre geralmente em casos de cirurgias muito delicadas em que o paciente fica vivo “por um fio”, ou é considerado oficialmente morto por alguns instantes em que o coração para de bater. Ao recobrar a consciência, a pessoa é capaz de descrever com clareza e precisão tudo o que se passou ao seu redor enquanto a cirurgia era realizada (uma vez que este estava totalmente anestesiado e inconsciente), ou pode contar detalhes totalmente impressionantes de sensações e imagens do mundo “do outro lado”.
near-death-experience-e1332175819184
O Ultra Curioso separou para você os 3 relatos de experiência de quase-morte mais intrigantes e famosos. Pessoas que contam com total convicção que chegaram na linha tênue entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos.

1. O paciente que chocou toda uma equipe médica em um hospital holandês

Este é o resumo de artigo publicado pelo Dr. Pim van Lommel e colaboradores na revista Lancet (Lancet 2001; 358: 2039–45). O artigo contém os relatos de uma enfermeira que cuidou de um paciente que a deixou chocada com o que ele lhe contou. Segundo o artigo, um homem de 44 anos deu entrada em um plantão noturno, cianótico (cor roxa da pele e mucosas provocada pela falta de oxigênio no sangue) e em coma.
Durante o procedimento para a intubação, a enfermeira percebeu que o homem usava dentaduras e teve que retirá-las e guardá-las em um “carrinho de parada (que contem  os medicamentos e equipamentos usados durante este tipo de atendimento) para realizar o procedimento corretamente. Pouco tempo depois, o paciente recuperou a atividade cardíaca e a pressão arterial, mas continuava entubado e em ventilação artificialmente, pois ainda estava em coma.
Depois de uma semana de internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), o homem recobrou a consciência e foi encaminhado para a enfermaria de cardiologia.Quando a enfermeira estava aplicando a medicação diária, o paciente (já totalmente consciente), disse: “Ah, esta enfermeira sabe onde estão minhas dentaduras”. A enfermeira, surpresa, parou o que estava fazendo e prestou atenção, enquanto o homem continuou. “Sim, você estava lá quando me trouxeram para o hospital e foi você quem tirou minha dentadura e colocou naquele carrinho com todos aqueles frascos e gavetas, e a guardou numa das gavetas da parte de baixo”. A enfermeira ficou extremamente impressionada pois realmente me lembrava dos acontecimentos enquanto o paciente estava em coma profundo e recebendo ressuscitação cardiopulmonar.
Abre

2. O neurocirurgião professor de Harvard que conheceu o Paraíso

Em um dia comum o Dr. Eben Alexander acordou com um atípica dor de cabeça, no de 2008. Não suportando a dor, foi levado ao hospital. Chegando lá, foi diagnosticado com meningite bacteriana, um rara doença que costuma atingir apenas recém-nascidos. A bactéria havia entrado em seu fluido cérebro-espinhal e a dor que ele sentia era da bactéria comendo seu cérebro e do seu córtex sendo desligado.
O Dr. Eben chegou ao hospital com poucas chances de sobreviver e com o passar do tempo, essa estatística caiu pra praticamente zero. Mas apenas uma semana depois, quando os médicos já debatiam se continuavam ou não o tratamento, ele saiu do coma. Totalmente consciente e com uma certeza absoluta: ele havia conhecido o Céu.
A descrição do doutor é intrigante, até porque antes da doença ele era um total cético. Segundo o neurocirurgião, na semana em que ficou em coma sua alma estava em cima de nuvens rosadas que contrastavam com um céu azul escuro. Acima dele, seres transparentes (nem anjos, nem pássaros, uma forma superior, segundo ele) cruzavam o céu. Sua sensação era como se estivesse naquele lugar há muito tempo e não tinha nenhuma memória de sua vida passada.
O doutor de Harvard escreveu um livro contando sua experiência, e hoje afirma absolutamente a existência de experiência de quase morte.

3. Lars Grael

Em 1998, o medalhista olímpico brasileiro Lars Grael velejava em Vitória, ES, quando foi atropelado por uma lancha, perdeu uma perna e muito sangue. Seu coração parou de bater, e Lars teve uma experiência de quase-morte. Veja seu relato:
“É uma coisa muito difícil de descrever. Nem imaginava que isso pudesse acontecer. Tive uma morte momentânea e me senti mais leve, com menos dor. Senti muita paz. Também me vi levantando do meu corpo. Voltei à vida, mas tive uma segunda parada e de novo me senti saindo do meu corpo. Era uma sensação menos nítida, acho que estava partindo mesmo. Foi coisa de segundos. Mas parece que o tempo ficou parado. Hoje vejo a vida por uma outra ótica. Meus valores mudaram e aprecio as coisas mais simples – um gole de água, um beijo de cada um da minha família. Tudo, tudo mudou.”
capa-642x466 

Fonte: O Ultra curioso

terça-feira, 20 de outubro de 2015

A importância da espiritualidade para a saúde


 

A importância da espiritualidade para a saúde

16/11/2013
Via de regra todos os operadores de saúde foram moldados pelo paradigma científico da modernidade que operou uma separação drástica entre corpo e mente e entre ser humano e natureza. Criou as muitas especialidades que tantos benefícios trouxeram para o diagnóstico das enfermidades e  também para as formas de cura.
Reconhecido este mérito,  não se pode esquecer que se perdeu a visão de totalidade: o ser humano inserido no todo maior da sociedade, da natureza e das energias cósmicas e a doença como uma fratura nesta totalidade e a cura como uma reintegração nela.
Há uma instância em nós que responde pelo cultivo desta totalidade, que zela pelo  Eixo estruturador de nossa vida: é a dimensão do espírito. De espírito vem espiritualidade. Espiritualidade é o cultivo daquilo que é próprio do espírito que é sua capacidade de projetar visões unificadoras, de relacionar tudo com tudo, de ligar e re-ligar todas as coisas entre si e com a Fonte Originária de todo ser.
Se espírito é relação e vida, seu oposto não é matéria e corpo mas a morte como ausência de relação. Nesta acepção, espiritualidade é toda atitude e atividade que favorece a  expansão da vida, a relação consciente, a comunhão aberta, a subjetividade profunda e a transcendência como modo de ser, sempre disposto a novas experiências e a  novos conhecimentos.
Neurobiólogos e estudiosos do cérebro identificaram a base biológica da espiritualidade. Ela se situa no lobo frontal do cérebro. Verificaram empiricamente que sempre que se captam os contextos mais globais ou ocorre uma experiência significativa de totalidade ou também quando que se abordam de forma existencial (não como objeto de estudo) realidades últimas, carregadas de sentido e que produzem atitudes  de veneração, de devoção e de respeito, se verifica uma aceleração das vibrações em hertz dos neurônios aí localizados. Chamaram a este fenômeno de “ponto Deus” no cérebro ou da emergência da “mente mística”(Zohar, QS: Inteligência espiritual, 2004). Trata-se de uma espécie de órgão interior pelo qual se capta a presença do Inefável dentro da realidade.
Este fato constitui uma vantagem evolutiva do ser humano que, enquanto homem-espírito, percebe a Realidade Fontal sustendando todas as coisas. Dá-se conta de que  pode, surpreendetemente, entabular um diálogo e buscar uma comunhão íntima com ela. Tal possibilidade o dignifica, pois o espiritualiza e o leva a graus mais altos de percepção do Elo que liga e re-liga todas as coisas. Sente-se inserido no Todo.
Este “ponto Deus” se revela por valores intangíveis como mais compaixão, mais solidariedade, mais sentido de respeito e de dignidade. Despertar este “ponto Deus”, tirar as cinzas  que uma cultura demasiadamente racionalista e materialista o cobriu, é permitir que a espiritualidade aflore na vida das pessoas.
No termo, espiritualidade não é pensar Deus mas sentir Deus mediante este órgão interior e fazer a experiência de sua presença e atuação a partir do coração.  Ele é percebido como entusiasmo (em grego significa ter um deus dentro) que nos toma e nos faz saudáveis e nos dá a vontade de viver e de criar continuamente sentidos de existir.
Que importância emprestamos  a esta dimensão espiritual no cuidado da saúde e da doença? A espiritualidade possui uma força curativa própria. Não se trata de forma nenhuma de algo mágico e esotérico. Trata-se de potenciar aquelas energias que são próprias da dimensão espiritual tão válidas como a inteligência, a libido, o poder, o afeto entre outras  dimensões do humano. Estas energias são altamente positivas como amar a vida, abrir-se ao demais, estabelecer laços de fraternidade e de solidariedade, ser capaz de perdão, de misericórida e de indignação face às injustiças deste mundo como o faz exemplarmente o Papa Francisco.
Além  de reconhecer todo o valor das terapias conhecidas existe ainda um supplément d’ame como diriam os franceses. Ela quer sinalizar  um complemento daquilo que já existe mas que o reforça e enriquece com fatores  oriundos de outra fonte de cura. O modelo estabelecido de medicina não detém, por certo, o monopólio do diagnóstico e da  cura. É aqui que encontra o seu lugar a espiritualidade.
A espiritualidade reforça na pessoa, em primeiro lugar, a confiança nas energias regenerativas da vida, na competência do médico/a e no cuidado diligente ou do enfermeiro/a. Sabemos pela psicologia do profundo e da transpessoal, do valor terapêutico da confiança na condução normal da vida. Confiar significa fundamentalmente afirmar: a vida tem sentido, ela vale a pena, ela detém uma energia interna que a autoalimenta, ela é preciosa. Essa confiança pertence a uma visão espiritual do mundo.
Pertence à espiritualidade, a convicção de que a realidade que captamos é maior do que as análises nos dizem. Podemos ter acesso a ela pelos sentidos interiores, pela intuição e pelos secretos caminhos da razão cordial. Percebe-se que há uma ordem subjacente à ordem sensível, como o sustentava sempre o grande físico quântico, prêmio Nobel, David Bohm, aluno predileto de Einstein.
Esta ordem subjacente responde pelas ordens visíveis e ela sempre pode nos trazer surpresas. Não raro, os próprios médicos/as se surpreendem, com a rapidez com que alguém se recupera ou mesmo como situações, normalmente, dadas como irreversíveis, regridem e acabam levando à  cura. No fundo é crer que o invisível e o imponderável é parte do visível e do previsível.
Pertence também ao mundo espiritual, a esperança imorredoura de que a vida não termina na morte, mas se transfigura através dela. Nossos sonhos de voltar à vida normal deslancham energias positivas que contribuem na regeneração da vida enferma.
Força maior, entretanto, é a fé de sentir-se na palma da  mão de Deus. Entregar-se, confiadamente, à sua vontade, desejar ardentemente  a cura mas também acolher serenamente sua vontade de chamar-nos  para si: eis a presença da energia espiritual. Não morremos, Deus vem nos buscar e nos levar para onde pertencemos desde sempre, para a sua Casa e para o seu convívio. Tais convicções espirituais funcionam como fontes de água viva, geradoras de cura e de potência de vida. É o fruto da espiritualidade.
Leonardo Boff escreveu com Jean-Yves Leloup e outros, Espírito e Saúde, Vozes 2007.
 Fonte: https://leonardoboff.wordpress.com

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

ACERCA DO SUICÍDIO

ACERCA DO SUICÍDIO - por Omraam Mikhaël Aïvanhov

 

- Por Omraam Mikhaël Aïvanhov -


Encha um copo de água pela metade e mostre-o a duas pessoas: uma diz que ele está meio cheio, e outra diz que ele está meio vazio. Para a maioria das pessoas, isto significa a mesma coisa, mas para a Ciência Iniciática revela duas mentalidades, dois processos psicológicos diferentes. Se você se fixar na plenitude, vai se sentir repleto; se fixar no vazio, você será esvaziado. É uma lei mágica: quando um doente não pensa senão na sua doença, o seu estado piora, porque todo o pensamento negativo provoca a desagregação. Ele que pense em saúde, e esse pensamento curá-lo-á.

Pode ser que lhe faltem muitas coisas, mas, se quiser que lhe falte ainda mais, fixe-se nessa falta!... Pense, antes, que você é herdeiro de uma imensa riqueza, e verá todas as melhorias que se seguirão. Aliás, o que falta aos humanos não é tanto o dinheiro, as casas, os carros, mas uma filosofia luminosa e divina, capaz de fazê-los sair de todas as fraquezas, de todas as dificuldades.

Sim, é muito simples, extremamente simples. Alguns, seja o que for que se lhes apresente, estão habituados a ver o lado bom das coisas e das situações, ao passo que outros só vêem os inconvenientes. Bem entendido, uns e outros têm razão, mas esta “razão” age, interiormente, de duas maneiras diferentes. Do ponto de vista da verdade, pode dizer-se que um copo está meio cheio ou meio vazio, isso não tem qualquer importância; mas a ação mágica é diferente. E é precisamente isto o essencial. Habituando-se a ver as faltas, as lacunas, os defeitos, você vai ficando cada vez mais triste, desanimado, azedo. É o que acontece quando alguém se detém no que lhe falta. Que essas faltas existem, é evidente, a quem o diz!... Mas a questão não está aí; a questão está em saber trabalhar com o que se possui, para se melhorar.

Para mostrar a alguns o quanto se enganam e fazem mal a si próprios, dizendo que lhes falta isto, que lhes falta aquilo, e sobretudo dinheiro – é da falta de dinheiro que todos se queixam mais! -, eu lhe direi: “Dou-lhe vinte milhões; dou mesmo, dou-lhe vinte milhões, mas... você me dará seus olhos.” Oh!, eles recusarão, soltando gritos. “E mais vinte milhões pelos seus ouvidos... vinte milhões pelo seu nariz... vinte milhões pelos seus braços... e mais vinte milhões pelas suas pernas.” Oh lá lá! Vai subindo, chegamos aos bilhões. Pois bem, mesmo perante esta soma, eles recusarão. Nesse caso, por que se sentem pobres? Eles são ricos, só que não viram isso. Não o viram porque são idiotas, e os idiotas têm sempre que sofrer, a sua cabeça tem que amadurecer. Não sou eu que o digo, é a Natureza.

A Natureza é implacável: você pode gritar, chorar, ameaçar, que ela não muda nada; você é que tem que se inclinar, que obedecer, que se por de acordo com ela. Sim, ela é implacável, irredutível. Você dirá que ela é cruel... Não, ela só pensa em tornar os humanos inteligentes, belos e, sobretudo, felizes. Mas, quando vê que eles têm cabeças duras... O que você quer? É preciso que essas cabeças amadureçam, e para isso ela emprega métodos que só ela conhece. Quando a Natureza se empenha em relação a alguém, nem sequer lhe dá explicações, diz simplesmente: “Eu desejo o seu bem e, como não há outros meios para o tornar sensato, sou obrigada a usar estes.” Não se pode censurá-la.

Aceite esta filosofia que lhe mostra que você é filho de Deus, herdeiro de um tesouro que só espera o momento em que você seja capaz de o colher. O que faz falta aos humanos é uma filosofia, e não qualquer outra coisa; eles têm tudo em si e à sua volta e estão sempre a se queixar. São rabugentos – é isso! -, sempre rabugentos, porque lhes falta uma filosofia divina. É por isso que, quando eu vejo alguém fechado sobre si mesmo, sobre seus problemas, tenho vontade de lhe dizer: “Mas, meu pobre infeliz, como pode você ver alguma coisa? Você não sai, está sempre fechado em sua mansarda. Passeie um pouco, para poder ver a sua herança: todas essas florestas, essas montanhas, esses lagos, esses rios, essas estrelas... Você compreenderá que possui uma imensidão, que nada lhe falta.”

Os humanos se parecem com aquele que caíra num lago e gritava: “Água, água, dêem-me água!” Eles estão mergulhados no oceano da luz cósmica, mas têm tantas carapaças que essa luz não consegue penetrar neles. Eis o atual estado de muitas pessoas no mundo: sentem-se infelizes, queixam-se, querem, até, suicidar-se. Não conseguem compreender que só elas são responsáveis pelo seu estado. A Inteligência Cósmica não tinha vontade alguma de reduzi-las a este extremo; foram elas que, ao mostrarem-se tão obtusas, chegaram a essa situação; e suprimem-se porque – dizem – a vida não tem qualquer sentido! Na realidade, a vida encerra ainda tantas possibilidades insuspeitadas!... É a maior das tolices ficar prostrado a um canto, infeliz, no vazio, por ser incapaz de vê-las!

Voltemos agora à imagem do copo meio cheio e do copo meio vazio. É claro que, do ponto de vista da simples constatação, dizer de uma maneira ou de outra vem a dar no mesmo. Mas constatar as coisas não é ainda a verdadeira ciência. A verdadeira ciência consiste em vermos, na nossa vida, as conseqüências desta ou daquela constatação. Quando você diz que um copo está meio cheio, você fixa o pensamento na plenitude e se habitua, assim, a ver o lado bom das coisas. E, mesmo quando você se depara com um acontecimento desagradável, em vez de chorar horas inteiras para “regar o jardim”, diga para você mesmo: “Oh!, existem ainda algumas possibilidades, o Céu tem boas intenções a meu respeito, quer que eu desenvolva qualidades que ainda não possuo. Quais são?” Então procure... e, quando descobrir, agradeça-lhe por lhe ter dado essa provação. É uma filosofia muito difícil de aceitar, mas é a melhor. A partir do instante em que você começar a aceitá-la verdadeiramente, nada mais poderá voltar a lhe entravar. Qualquer que seja a situação que lhe aconteça, você avançará, porque estará a raciocinar bem.

E agora imagine que os humanos se comportam muito mal com você; durante toda a sua vida, por mais que você faça, apesar de toda a sua gentileza, doçura e bondade, choverão injustiças sobre você. Então, por fim, você achará que é tudo tão cruel, que se revoltará contra o Senhor e até poderá querer pôr fim à vida. Espere!

Ainda há um ponto que você não compreendeu bem: por que continua o Céu a lhe dar essas provações, sempre as mesmas?... Suponha que numa outra encarnação você foi cruel para com certas criaturas. Para lhe mostrarem quanto mal lhes fez, são elas agora que, por sua vez, fazem-lhe sofrer, mas você não compreende que a culpa é sua. Se assim não se respeitar – é uma lei. Por conseguinte, embora as “injustiças” por que você passa sejam muito gritantes, você deve tirar da cabeça essa idéia de que são injustiças. Porque, na realidade, essas injustiças, visíveis e reais, são a expressão de uma justiça invisível. Por uma razão ou por outra, você merece o que lhe acontece: ou, ainda, deve se reforçar e tornar-se um gênio, um gigante, um colosso.

O que impede os humanos de evoluir é o fato de pensarem que as dificuldades ou os infortúnios são o resultado de uma injustiça. Eles pensam: “O destino é injusto, e até o Senhor é injusto, eu merecia melhor.” E como podem eles saber se mereciam melhor? Eles não se conhecem, não conhecem o seu passado, nem o seu presente, muito menos, o seu futuro; por isso, como poderão pronunciar-se? Mesmo quando, num processo, os juízes condenam um inocente – e quantos erros judiciários têm acontecido ao longo da História! – na realidade, há sempre uma justiça por detrás dessa injustiça. Pode mesmo acontecer com Santos, Iniciados e grandes Mestres: muitos foram enforcados, queimados, crucificados; aparentemente, foi injusto, mas, na realidade, não. Os Vinte e Quatro Anciãos ou Senhores do Carma são absolutamente justos – as provações por que tais seres passaram tinham-lhes sido enviadas para os fazer pagar uma dívida, ou para os ajudar a compreender algumas verdades que sem isso não teriam compreendido, ou, ainda, para os incitar a tornarem-se fortes, poderosos, invencíveis.

Algumas pessoas pensam que escapam às dificuldades pondo fim à vida. Na verdade, é ainda pior, depois, quando estiverem do outro lado, porque ninguém tem o direito de partir antes do termo; é uma deserção que terá de ser paga duas vezes, três vezes mais caro. Lá em cima não há lugar para aqueles que quiseram desertar da terra, e não querem recebê-los: terão de sofrer tanto tempo quanto o que ainda lhes restava viver na terra.

A atitude de quem põe fim à sua vida é extremamente repreensível. Em primeiro lugar, essas pessoas são ignorantes, porque não conhecem a razão das provações que têm de suportar. Depois, são orgulhosas, porque julgam saber melhor que os Vinte e Quatro Anciãos aquilo que merecem. Finalmente, são fracas, porque não suportam as dificuldades. Demonstram, pois, ignorância, orgulho e fraqueza. E o mundo invisível fica descontente com esses seres porque eles abandonaram o seu posto.

Você me dirá: “Mas alguns se suicidaram porque tinham um ideal extraordinário, que não conseguiram atingir. Ao verem que não conseguiram, ficavam tão decepcionados consigo próprios que acabavam com suas vidas.” Ora bem: isso também não é permitido. Quando se tem um grande ideal, o essencial é trabalhar para realizá-lo, sem fixar uma data para sua realização. Se não se foi bem sucedido, foi porque ainda não se possuíam os elementos que fariam o sucesso; é próprio do orgulho não querer admitir isso e suprimir-se. Dever-se-ia ter perseverado!

A maioria dos humanos pensam que vieram à terra para viver em felicidade e realizar as suas ambições. Mas não: eles vieram à Terra para pagar suas dívidas, para se instruírem e se reforçarem. É por isso que o Céu não pode ter estima por quem tomou a decisão de pôr termo à sua vida, porque tais seres colocam-se acima do Senhor de todos os destinos, e os sofrimentos que terão de suportar a seguir são indescritíveis. Eis mais uma das grandes verdades da Ciência Iniciática.

É claro que se pode dar ao suicídio toda a espécie de explicações. Mas, sejam quais forem as razões por que um homem ou uma mulher se suicida, pode-se dizer que a verdadeira razão é esta: trata-se de uma criatura que não sabe que o Criador colocou nela possibilidades incríveis de triunfar em quaisquer condições de vida: possibilidades de comunicar com os seres do mundo invisível, possibilidades de criar pelo pensamento e de lançar essas criações através do espaço... Ela não sabe que, mesmo na maior solidão e na maior miséria, é possível não se sentir pobre e só, mas visitada, rodeada e senhora de todos os tesouros; aconteça o que acontecer, ela tem dentro de si um mundo tão vasto e tão belo para se sentir feliz!

Existem seres a quem nenhum acontecimento, nenhuma situação abala, porque têm um sistema filosófico ao qual se agarram. Por que se diz nos Evangelhos que devemos construir a nossa casa sobre a rocha? A rocha é o espírito, e o espírito permanece inabalável em todas as circunstâncias. O coração, o intelecto ou o corpo físico são vulneráveis, mas o espírito não.

Os humanos estão muito mal instruídos; eles não sabem o que Deus colocou neles próprios e, à mais pequena decepção, pensam que a única solução é o suicídio. O que quer isso dizer? Que são gênios? Que são seres tão excepcionais que não podem suportar o mal no mundo?... Não, são pobres miseráveis privados de tudo: de inteligência, de amor, de força; só a sua fraqueza os leva a acabarem assim. Que tenha havido na História homens e mulheres heróicos que ofereceram a vida para salvar um exército, uma cidade, um povo, isso eu compreendo, é uma outra questão. Eu não me refiro a esses, mas a todos aqueles – principalmente jovens – que se preparam para acabar lamentavelmente, porque se sentem sós ou incompreendidos.

Os jovens devem aperceber-se da riqueza de que dispõem. Eles têm imaginação, não é verdade? Então, por que não se servem dela? Oh!, é claro, eles servem-se dela: quando se trata de pensar nos seus namorados e de imaginarem como os acariciam, como os beijam, a imaginação dos rapazes e das raparigas não descansa. Mas por que eles a utilizam unicamente nas elucubrações sexuais essa preciosa faculdade que o Criador lhes deu? Porque não aprenderam a utilizar a imaginação para pensarem em todas as razões que podem ter para se sentirem felizes e ricos graças a tudo o que existe no Céu e na terra e, principalmente, em si próprios?

Houve numerosos casos de suicídio na História, mas podem ser resumidos em três categorias. Eles têm como causa ou falta de inteligência, ou falta de coração ou falta de vontade. Se você tiver uma boa compreensão das coisas, se souber que existe um mundo divino povoado de seres esplêndidos e que esse mundo divino imprimiu a sua marca no mundo físico; se você souber que os sentimentos e os desejos são de uma potência tal que, com perseverança, se consegue sempre realizá-los... Enfim, se você conseguir se educar para não procurar satisfazer unicamente as suas cobiças, mas a considerar todas as dificuldades como um meio de exercer a sua vontade, então, esteja certos de que jamais você se suicidará. Nem mesmo a miséria, as privações, a doença ou a solidão conseguirão lhe vencer. Você é que triunfará.

Os jovens devem persuadir-se ao menos de uma coisa: o mundo é vasto e eles não estão sós. O que mais leva as pessoas ao suicídio é a falta de amor. Quando alguém perdeu o amor, só deseja morrer; a vida não tem sentido. A vida está ligada ao amor. Isto é tão verdadeiro que, se você estiver nos braços daquele ou daquela que ama, vai querer sempre viver. Se suprimir o amor, você morrerá. Muitas pessoas suprimiram o amor e agora perguntam a si próprias por que razão já não têm gosto por nada. Pois bem, é justamente porque nelas não há amor.

Quando vejo uma jovem com um ar travesso, cantarolando, sei que ela acaba de estar com o seu namorado, porque o amor é isso, é a alegria. E se depois a vejo deprimida, sei que perdeu o namorado, não é difícil de decifrar. Eis porque eu insisto sempre no amor. Mas não nesse amor que hoje está na moda e que, na realidade, não é senão libertinagem, porque também esse amor, tal como a falta de amor, acaba por roubar aos seres todas as razões de viver.

Sim, é sobre o amor que se deve falar constantemente, durante toda a vida, porque os humanos ainda estão longe de conhecer o verdadeiro amor, aquele que é capaz de remover montanhas, de criar mundos!... Quanto a mim, já encontrei o segredo: eu amo a Fraternidade, e como amo a Fraternidade, todas as questões estão resolvidas. Só penso nela, nada mais existe na minha cabeça, ela dá sentido à minha vida. Faça você a mesma coisa e jamais terá o desejo de se suicidar.


(Texto extraído do livro “Respostas à Questão do Mal” – Omraam Mikhaël Aïvanhov – Edições Prosveta; Portugal - páginas 129-142).

- Nota de Wagner Borges: Omraam Mikael Aivanhov (1900-1986): Mestre espiritualista búlgaro, que morou a maior parte de sua vida na França, onde fundou a Fraternidade Branca Universal - www.fbu.org (não confundir com a Fraternidade Branca do Himalaia, dos mestres, que se situa em planos sutis). É um dos mentores espirituais dos trabalhos do IPPB. Mais informações sobre o seu trabalho podem ser conseguidas em nosso site - www.ippb.org.br - Basta entrar na seção de busca por palavras do site e clicar o seu nome. Daí surgirão diversos textos dele postados em várias seções do site, e aí é só mergulhar em seus escritos e se fartar de ler textos excelentes e cheios de sabedoria espiritual e humana.
Fonte: www.ippb.org.br

Como exercer a espiritualidade.




Como exercer a espiritualidade

 

Conheça algumas atitudes que favorecem a conexão com aspectos elevados da vida, segundo o médico e guru indiano Deepak Chopra:




espiritualidade
 
1. Reconheça que existe um poder superior no universo, maior do que a pequena existência humana
Plenitude
Você se torna mais humilde


2. Aproveite as oportunidades de colocar mais amor no mundo
Plenitude
Você se torna mais adorável


3. Reserve alguns minutos do dia para refletir ou contemplar algo belo
Plenitude
Você se torna mais forte


4. Seja mais receptiva
Plenitude
Você se torna mais graciosa


5. Perdoe alguém que você não perdoaria
Plenitude
Você se torna mais generosa


6. Reconheça seus erros
Plenitude
Você se torna mais responsável


7. Tente enxergar o lado bom dos outros
Plenitude
Você se torna mais positiva


8. Reflita sobre o seu modo de pensar e de agir
Plenitude
Você se torna mais centrada


9. Abençoe o mundo
Plenitude
Você se torna uma bênção


10. Dê o melhor de si em cada relação
Plenitude
Você se torna mais amorosa e próxima de Deus


Fonte: www.portalangels.com

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

O colete salva-vidas da gentileza!

O colete salva-vidas da gentileza

O colete salva-vidas da gentileza

Os mais experientes costumam dizer que a evolução passa, inevitavelmente, pelo assistencialismo. Em algum ponto de nossa existência, seja na vida atual ou mais para frente, só fará sentido seguir adiante se estivermos fazendo algo por quem está ao nosso redor.
São diversos os níveis em que o assistencialismo pode acontecer. Algumas pessoas sentem utilidade e vontade de fazer sopa para quem tem fome. Outras tem a chance de resgatar um cão abandonado das ruas. Nos centros de espiritualidade há médiuns e curadores que dedicam parte do seu tempo distribuindo luz através de palavras de esclarecimento e o movimento das bioenergias. Na estação de metrô lotada, há aquele funcionário que, com uma simples saudação e sorriso, pode mudar para melhor o tom do dia dos passantes. A verdade é que não existe hierarquia de importância para diferenciar quem deseja prestar uma gentileza. Qualquer ato de bondade receberá o sorriso do mundo.
É uma mensagem parecida com essa que a Life Vest Inside tenta passar: a gentileza muda a vida das pessoas. A Life Vest Inside é uma organização baseada em Nova Iorque, fundada por Orly Wahba, que trabalhou por muitos anos com educação de adolescentes.
Começou assim: em 2007 Orly Wahba estava embarcando em um avião para uma viagem de férias com a família. Quando o avião fez escala, ela recebeu a notícia de que uma menina de 7 anos da escola em que trabalhava havia morrido de leucemia. Como professora, Orly Wahba já tinha convivido com o luto em sua sala de aula, 3 anos antes, quando seus alunos haviam perdido um colega de turma. Enquanto ainda estavam se recuperando do primeiro choque, veio esse outro. Ela pensou, “como vou conseguir fazer os meus alunos digerirem mais uma perda?”. “Como é que se encontra ordem em um mundo tão caótico?”, “Como alguém pode flutuar por cima dos tantos eventos da vida que puxam para baixo?”.
Algumas horas depois, enquanto pegava o segundo vôo da conexão, ela sentou no avião, desanimada e um tanto confusa. Olhou para o lado e viu algo escrito que lhe chamou a atenção: “life vest inside” (colete salva-vidas). Ela sentiu um conforto. Pensou: “um colete salva-vidas é algo que se mantém flutuando, mesmo quando tentam empurrá-lo para baixo”. Orly Wahba diz que o nosso colete salva-vidas, a nossa habilidade de superar as dificuldades, é algo que vem de dentro.
Através da gentileza que concedemos aos outros, através da gentileza que os outros se concedem a nós, ajudamos uns aos outros a flutuar nos mares tormentosos da vida.
Abaixo está um vídeo desenvolvido pela organização, filmado em Red Bank, New Jersey. A música é “One Day”, de Matisyahu.
Fonte: www.melhorconsciencia.com.br

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Tornando-se um ser espiritualizado!

Tornando-se um ser espiritualizado! 

por Wayne W.Dyer


"Tornar-se um ser espiritual é sinônimo de se tornar um obreiro milagroso e conhecer o êxtase da verdadeira mágica. As diferenças entre as pessoas que não são espiritualizadas, ou "somente físicas", e aquelas a quem eu chamo de seres espiritualizados, são dramáticas.

Eu uso os termos espiritualizado e não espiritualizado no sentido de que um ser espiritualizado tem uma consciência tanto da dimensão física, quanto da dimensão invisível, enquanto que os seres não espiritualizados estão somente conscientes do domínio físico. Nenhuma categoria, como eu as uso, implica em ateísmo ou orientação religiosa de qualquer modo. A pessoa não espiritualizada não é incorreta ou má, porque ele ou ela experiencie o mundo somente de uma maneira física.

Abaixo estão 12 crenças e práticas para que vocês cultivem enquanto desenvolvem as suas habilidades em manifestar milagres em sua vida. Tornar-se um ser espiritualizado como esboçado aqui é uma necessidade total se a verdadeira mágica for o seu objetivo nesta existência.

1 - O ser não espiritualizado vive exclusivamente dentro dos cinco sentidos, acreditando que se vocês não puderem ver, tocar, perceber, ouvir ou experimentar algo, então este algo simplesmente não existe. O ser espiritualizado sabe que além dos cinco sentidos, há outros sentidos que usamos para experienciarmos o mundo da forma. Enquanto vocês trabalham para se tornar um ser espiritualizado, assim como um ser físico, vocês começam a viver mais e mais conscientemente dentro do mundo invisível. Vocês começam a saber que há sentidos além deste mundo físico. Ainda que não possam percebê-lo através de um dos cinco sentidos, vocês sabem que são almas com um corpo, e que a sua alma está além dos limites e desafia o nascimento e a morte. Ela não é governada por qualquer uma das regras e leis que governam o universo físico.

Ser um ser espiritualizado significa que vocês se permitem a opção de serem multi-sensoriais. Conseqüentemente, um mundo inteiramente novo se abre. Como Gary Zukav escreve: "As experiências do humano multi-sensorial são menos limitadas do que as experiências do humano de cinco sentidos. Elas proporcionam mais oportunidades para o crescimento e o desenvolvimento e mais oportunidades para evitar dificuldades desnecessárias". "A sede da Alma, Gary Zukav)

2 - O ser não espiritualizado acredita que estamos sozinhos no universo. O ser espiritualizado sabe que ele ou ela nunca está sozinho. Um ser espiritualizado está confortável com a idéia de ter professores, observadores, e orientação divina disponível a qualquer momento. Se nós acreditamos que somos almas com corpos, e não corpos com almas, então o invisível, a nossa parte eterna, está sempre disponível para nós para auxílio.

 Uma vez que esta crença seja firme e inabalável, ela nunca pode ser questionável, não obstante os argumentos racionais daqueles que vivem exclusivamente no mundo físico. Para alguns, isto é chamado de súplica intensa, para outros ela é chamada de inteligência ou força universal, onipresente, e para outros, orientação espiritual. Não importa como vocês chamem a este eu superior ou como o digam, desde que ele está além das limitações, dos rótulos e da própria linguagem.

 Para o ser não espiritualizado tudo isto é sem sentido. Nós aparecemos na Terra, temos uma vida para viver e ninguém tem quaisquer fantasmas por perto ou interiormente para ajudar. Este é um universo somente físico para o ser não espiritualizado e o objetivo é manipular e controlar o mundo físico.

O ser espiritualizado vê o mundo físico como um lugar para o crescimento e a aprendizagem, com o propósito específico de servir e de evoluir aos níveis superiores do amor. 

Os seres não espiritualizados aceitam a existência de um ser supremo ou Deus, não como uma força universal que está dentro de nós, mas como um poder separado que algum dia nos manterá responsáveis. Eles não se vêem como tendo auxílio ou um eu superior, a menos que tenham o tipo de experiência direta da presença divina registrada por São Paulo ou São Francisco de Assis.

 Os seres espiritualizados simplesmente sabem, através de sua experiência pessoal ou por terem estado em contato com a sua própria orientação divina, que eles não estão sozinhos, e que podem usar esta orientação para se tornarem criadores milagrosos em suas vidas.

3 - O ser não espiritualizado está focado no poder externo. O ser espiritualizado está focado na capacitação pessoal. O poder externo está localizado no domínio e no controle do mundo físico. Este é o poder da guerra e do poder militar, o poder das leis e da organização, o poder dos negócios e dos jogos da bolsa de valores. Este é o poder de controlar tudo o que é externo ao eu. O ser não espiritualizado está focado neste poder externo.

 Por contraste, o ser espiritualizado está focado em se capacitar e aos outros aos níveis mais e mais elevados da consciência e da realização. O uso da força sobre outro não é uma possibilidade para o ser espiritualizado. Ele ou ela não está interessado em acumular poder, mas sim em ajudar os outros a viverem em harmonia e a vivenciarem a mágica verdadeira. Este é um poder do amor que não julga outros. Não há hostilidade ou raiva neste tipo de poder. A verdadeira capacitação é saber que se pode viver no mundo com os outros que tenham pontos de vista diferentes e não tenham necessidade de controlá-los ou subjugá-los como vítimas.

Um ser espiritualizado conhece o enorme poder que vem da habilidade de manipular o mundo físico com a mente. Uma mente em paz, uma mente centrada e não concentrada em prejudicar outros, é mais poderosa do que qualquer força física no universo. Toda a filosofia do Aikido e das Artes Marciais Orientais está baseada não no poder externo sobre o oponente, mas em tornar-se uno com esta energia externa para remover a ameaça. A capacitação é a alegria interior de saber que a força externa não é necessária para estar em harmonia consigo mesmo. 

Para o ser não espiritualizado, nenhum outro meio é conhecido. Deve-se estar constantemente preparado para a guerra. Ainda que os mestres espirituais a quem eles freqüentemente garantem devotamento falem contra tal uso de poder, os seres não espiritualizados simplesmente não podem ver outras alternativas.

4 - O ser não espiritualizado se sente separado e distinto de todos os outros, um ser em si mesmo. O ser espiritualizado sabe que ele está conectado a todos os outros e vive a sua vida como se cada pessoa que ele encontre compartilhe ser humano com ele.

 Quando uma pessoa se sente separada de todos os outros, ela se torna mais egocêntrica e muito menos preocupada com os problemas dos outros. Ela pode sentir alguma simpatia pelas pessoas famintas em outra parte do mundo, mas a abordagem diária desta pessoa é "Não é o meu problema." O ser não espiritualizado está concentrado mais em seus próprios problemas, e freqüentemente sente que outros seres humanos estão ou em seu caminho ou tentando obter o que ele quer e assim ele deve "trapacear" o outro cara, antes que ele faça alguma coisa.

O ser espiritualizado sabe que estamos todos conectados, e ele é capaz de ver a plenitude de Deus em cada pessoa com quem ele faz contato. Este sentido de conexão elimina muito do conflito interior que o ser não espiritualizado experiencia quando ele julga outros constantemente, categoriza-os de acordo com as aparências físicas e comportamentos, e então continua a encontrar meios ou de ignorar ou de se aproveitar deles para o seu próprio benefício.

 Estar conectado significa que a necessidade pelo conflito e confrontação é eliminada. Saber que a mesma força invisível que flui através dele mesmo, flui através de todos os outros, permite que o ser espiritualizado viva verdadeiramente o conceito moral, de tratar os outros como queremos ser tratados. O ser espiritualizado pensa: "Como eu estou tratando os outros, é essencialmente como eu estou me tratando, e vice-versa." O significado de "Ame ao seu vizinho como a si mesmo", está claro ao ser espiritualizado, enquanto isto é considerado como tolice pelo ser não espiritualizado. O julgamento negativo não é possível quando se sente conectado com todos os outros.

O ser espiritualizado sabe que ele não pode definir outro através dos seus julgamentos, assim ele somente se define como uma pessoa crítica. A pesquisa ao nível quântico subatômico revela uma conexão invisível entre todas as partículas e todos os membros de uma dada espécie. Esta unidade está sendo demonstrada em notáveis descobertas científicas. As descobertas mostram que a distância física, o que pensamos como espaço vazio, não impede uma conexão pelas forças invisíveis. Obviamente devem existir conexões invisíveis entre os nossos pensamentos e as nossas ações. Nós não negamos isto, ainda que a conexão seja inacessível aos nossos sentidos.

O ser não espiritualizado não pode fazer tal salto, mas o ser espiritualizado sabe que esta força invisível o conecta com todos os outros, e, portanto, trata todos os outros como se fossem uma parte de si mesmo. É tudo uma questão de conhecer. O ser não espiritualizado age como se ele fosse uma ilha, separado e distinto de outros, desconectado. Claramente afirmado, os milagres e a mágica verdadeira estão simplesmente indisponíveis àqueles que se acreditam como ilhas no mar da humanidade.

5 - O ser não espiritualizado acredita exclusivamente em uma interpretação da vida causa e efeito. O ser espiritualizado sabe que há um poder superior operando no universo além da mera causa e efeito. O ser não espiritualizado vive exclusivamente no mundo físico, onde a causa e o efeito regem. Se alguém planta uma semente (causa), ele verá o resultado (efeito). Se alguém estiver com fome, ele procurará alimento. Se estiver zangado, ele dará vazão a esta raiva. Este é realmente um modo racional e lógico de pensar e de agir, desde que na terceira lei do movimento, para cada ação há uma reação igual e oposta que está sempre operando no universo físico.

 O ser espiritualizado vai além da física de Newton e vive em um reino totalmente diferente. O ser espiritualizado sabe que os pensamentos surgem do nada, e que em nosso estado de sono (um terço de todas as nossas vidas físicas), onde estamos com o pensamento puro, a causa e efeito não desempenham qualquer papel.

6 - O ser não espiritualizado é motivado pela façanha, pela proeza e aquisições. O ser espiritualizado é motivado pela ética, serenidade e qualidade de vida. Para a pessoa não espiritualizada, o foco está na aprendizagem com o propósito de graus elevados, de prosperar e de adquirir posses. O propósito do atleta é a competição. O sucesso é avaliado em rótulos externos, tais como posição, graduação, contas bancárias e recompensas. Tudo isto é parte de nossa cultura, mas simplesmente não é o foco da vida do ser espiritualizado.

Para o ser espiritualizado, o sucesso é conquistado ao se alinhar com o propósito, o quaL não é avaliado pelo desempenho ou aquisições. O ser espiritualizado sabe que estas coisas externas fluem na vida em quantidades suficientes e que elas chegam como resultado de uma vida com propósito. O ser espiritualizado sabe que viver com propósito envolve servir de um modo amoroso. Madre Teresa que passou muitos anos de sua vida se preocupando com os mais oprimidos entre nós, nos cortiços de Calcutá, definiu o propósito deste modo em "Pelo amor de Deus": "O fruto do amor é o serviço, que é a compaixão em ação. A Religião nada tem a ver com a compaixão. É o nosso amor por Deus que é a coisa principal, porque todos nós fomos criados com o único propósito de amarmos e sermos amados."

 É assim que a realidade interna e externa do ser espiritual é vivenciada. Não é necessário se tornar um santo, servindo aos pobres para se tornar um ser espiritualizado. Deve-se simplesmente saber que há muito mais na vida do que façanhas, desempenho e aquisições, e que o valor de uma vida não está no que é acumulado, mas sim no que é dado aos outros. Viver ética, moral e serenamente enquanto se está alinhado com um propósito espiritual está no âmago do seu ser. A mágica verdadeira não pode ser vivenciada quando o seu foco está em obter mais para si mesmos, particularmente se for à custa de outros. Quando vocês experienciarem um sentimento de serenidade e qualidade em relação à vida, sabendo que é a sua mente que cria tal estado, vocês saberão também que de tal estado da mente flui a mágica de criar milagres.

7 - O ser não espiritualizado não tem espaço em sua consciência para a prática da meditação. O ser espiritualizado não pode imaginar a vida sem ela. Para o ser não espiritualizado, a idéia de se interiorizar e de ficar sozinho por um período de tempo, repetindo um mantra, esvaziando a mente, e buscando respostas ao se alinhar com o Eu Superior beira a demência. Para esta pessoa, as respostas são obtidas com um trabalho árduo, com esforço, com perseverança, estabelecendo objetivos, alcançando estes objetivos e determinando novos e competindo em um mundo cruel.

 O ser espiritualizado conhece o enorme poder da prática da meditação. Ele sabe que a meditação o torna mais alerta e capaz de pensar mais claramente. Ele sabe do efeito muito especial que a meditação tem em aliviar o stress e a tensão. As pessoas espiritualizadas sabem, em virtude de terem estado lá e a experienciado diretamente, que pode receber orientação divina, tornando-se tranqüilas e calmas, e pedindo respostas. Elas sabem que são multidimensionais e que a mente invisível pode estar ligada aos níveis mais e mais elevados através da meditação, ou como vocês queiram chamar à prática de estar sozinho e esvaziar a sua mente dos frenéticos pensamentos que tanto ocupam a vida diária. Elas sabem que na meditação profunda, podem deixar o corpo e entrar em uma esfera de mágica com tanto êxtase como em um estado que qualquer droga poderia proporcionar temporariamente.

 Para o ser não espiritualizado, isto é percebido como uma fuga da realidade, mas para o ser espiritualizado é uma apresentação a uma realidade inteiramente nova, uma realidade que inclui uma abertura na vida que levará à criação de milagres.

8 - Para o ser não espiritualizado, o conceito de intuição pode ser reduzido a um pressentimento ou a um pensamento casual que acidentalmente dispara na cabeça na ocasião. Para o ser espiritualizado, a intuição é muito mais do que um pressentimento. É percebida como uma orientação ou uma conversa com Deus, e este insight interior nunca é assumido de modo inconseqüente ou ignorado. Vocês sabem através de sua própria experiência que quando ignoram as suas intuições, acabam se lamentando por isto ou tendo que "aprender do modo difícil".

 Para a pessoa não espiritualizada, a intuição é completamente imprevisível e ocorre ao acaso. Ela é freqüentemente ignorada ou evitada em benefício de comportamentos de modos habituais. O ser espiritualizado se empenha em aumentar a consciência a respeito de sua intuição. Ele presta atenção às mensagens invisíveis e sabe interiormente que há algo operando que é muito mais do que uma coincidência. Os seres espiritualizados têm uma consciência do mundo não físico e não estão presos exclusivamente a um universo restrito ao funcionamento dos seus cinco sentidos. Por esta razão todos os pensamentos, ainda que invisíveis, são algo a que prestar atenção. Mas a intuição é muito mais do que um pensamento em relação a algo, é quase como se alguém estivesse recebendo um gentil cutucão para se comportar de um determinado modo ou evitar algo que poderia ser perigoso ou prejudicial. Embora inexplicável, a nossa intuição é verdadeiramente um fator de nossas vidas.

 Para a pessoa não espiritualizada, isto parece ser meramente um pressentimento e nada para considerar ou se tornar mais sintonizada. A pessoa não espiritualizada pensa: "Isto passará. É apenas a minha mente funcionando em seu modo confuso". Para a pessoa espiritualizada, estas expressões interiores intuitivas são quase como ter um diálogo com Deus.

Uma Perspectiva Pessoal - Eu percebo a minha intuição em relação a tudo e qualquer coisa como Deus conversando comigo. Eu presto atenção quando "sinto algo" fortemente e sempre sigo esta inclinação interior. Uma vez em minha vida eu a ignorei, mas agora eu estou ciente e estes sentimentos intuitivos sempre, e eu quero dizer sempre, me orientam em uma direção de crescimento e propósito. Algumas vezes a minha intuição me diz aonde ir para escrever, e eu sigo, e o texto é sempre agradável e harmonioso. Quando eu ignorei esta intuição, eu me esforcei tremendamente. Eu não somente confio nesta orientação em meus trabalhos literários, mas conto com ela virtualmente em todas as áreas da minha vida.

 Eu desenvolvi um relacionamento pessoal com a minha intuição em relação ao que comer e em relação ao que escrever, e como me relacionar com a minha esposa e outros membros da família. Eu medito em relação a isto, confio nela, considero-a, e procuro me tornar mais consciente dela. Quando a ignoro, eu pago um preço, e então me lembro da lição de confiar nesta voz interior na próxima vez. Eu imagino se posso conversar com Deus e chamo a isto de oração, acreditando em tal presença divina e universal; então não há nada maluco em ter Deus conversando comigo. Todas as pessoas espiritualizadas sobre quem li, compartilham um sentimento semelhante. A intuição é a orientação amorosa e elas sabem que não devem ignorá-la.

9 - O ser não espiritualizado está envolvido em muita luta, ele está alinhado com as ferramentas do poder em uma guerra contra o que ele acredita ser o mal. Esta pessoa sabe o que ele odeia, e experiencia muita perturbação interior em relação às iniqüidades percebidas. Muita de sua energia, tanto mental quanto física, é devotada ao que percebe como hostil ou mal. 

Os seres espiritualizados não determinam a sua vida contra qualquer coisa. Elas não estão contra a fome, eles estão para alimentar as pessoas e ver que todos no mundo estejam nutricionalmente satisfeitos. Combater a fome somente enfraquece o guerreiro e o torna zangado e frustrado, enquanto trabalhar por uma população bem alimentada é eficiente. Os seres espiritualizados não são contra a guerra, eles são pela paz e gastam a sua energia trabalhando pela paz. Eles não se unem em uma guerra de drogas ou pobreza, porque as guerras precisam de guerreiros e combatentes, e isto não fará com que os problemas desapareçam.

 Os seres espiritualizados são a favor de uma juventude bem educada, que pode ser eufórica, inconstante e arrogante sem a necessidade de substâncias externas. Eles trabalham em relação a este fim, ajudando os jovens a conhecer o poder de suas próprias mentes e corpos. Eles nada combatem. Quando vocês combatem o mal, empregando os métodos do ódio e da violência, são parte do ódio e da violência e do próprio mal, apesar da retidão de sua posição em sua própria mente. Se todas as pessoas no mundo que são contra o terrorismo e a guerra fossem mudar a sua perspectiva, apoiando e trabalhando pela paz, o terrorismo e a guerra seriam eliminados. De algum modo as nossas prioridades são distorcidas.

Os seres espiritualizados não se ligam ao ódio. Eles estão focados refletidamente naquilo para o que vivem e traduzem isto em ação. Os seres espiritualizados mantêm os seus pensamentos no amor e harmonia, diante de coisas que eles adorariam ver mudadas. Tudo o que vocês combatem os enfraquecem. Tudo aquilo para o que vivem os capacita. A fim de manifestarem milagres, vocês devem estar totalmente focados naquilo para o que vivem. A verdadeira mágica ocorre em sua vida quando vocês eliminaram o ódio que está em sua vida, até o ódio que vocês têm contra o ódio.

10 - A pessoa não espiritualizada não tem nenhum sentimento de responsabilidade com o universo, portanto ela não desenvolveu uma reverência pela vida. O ser espiritualizado tem uma reverência pela vida que vai à essência de todas as coisas. 

O ser não espiritualizado acredita, como disse Gary Zukav que: "Somos conscientes e o universo não é". Ele acha que a sua existência terminará com esta existência e que ele não é responsável com o universo. O ser não espiritualizado se tornou arrogante.

 O ser espiritualizado sente uma responsabilidade com o universo. Ele está em reverência desta vida e tem uma mente com a qual processa o universo físico. Esta reverência o leva a encarar toda a vida e o meio ambiente com um sentimento de apreciação e reverência, dedicando-se à própria vida a um nível mais profundo do que meramente ao mundo material.

Para o ser espiritualizado, os ciclos da vida são abordados como típicos do infinito, com a reverência que é verdadeiramente um respeito pela vida. Há uma abordagem dócil e amorosa em relação a tudo o que existe em nosso mundo, um reconhecimento que a própria Terra e o universo têm uma consciência e que a nossa vida está conectada de algum modo invisível a toda a vida agora e no passado. A inteligência invisível que se infunde em toda a forma é uma parte de nós mesmos, assim uma reverência por toda a vida é saber que há uma alma em tudo. Esta alma é digna de ser honrada.

A pessoa espiritualizada está consciente da necessidade de não assumir mais da Terra do que seja necessário, e de devolver ao universo de algum modo para aqueles que habitarão o planeta depois dele. A capacidade de criar milagres surge de uma forte reverência por toda a vida, incluindo a sua própria, e, portanto, a fim de conhecer a verdadeira mágica, vocês devem aprender a pensar e a agir de modos consistentes a ser um ser reverente e espiritualizado.

11 - O ser não espiritualizado está carregado de rancores, hostilidade, e com a necessidade de vingança. O ser espiritualizado não tem espaço em seu coração para estes impedimentos de criar milagres e a verdadeira mágica. O ser espiritualizado sabe que todos os mestres espirituais falaram sobre a importância do perdão. Aqui estão alguns exemplos de nossos principais ensinamentos religiosos:

Judaísmo: A coisa mais bela que um homem pode fazer é perdoar a ofensa.

Cristianismo: Então Pedro se aproximou e lhe disse: "Senhor, quantas vezes o meu irmão pecará contra mim, e eu o perdoarei?" "Tanto quanto sete vezes". Jesus lhe disse: "Eu não lhe digo sete vezes, mas setenta vezes sete."

Islamismo: Perdoe ao seu empregado setenta vezes por dia.

Hinduísmo: Onde há o perdão há o próprio Deus.

Taoísmo: Retribua a injúria com a bondade.

Budismo: Nunca o ódio é diminuído pelo ódio. É somente reduzido pelo amor. Esta é uma lei eterna. Para o ser espiritualizado é crucial ser capaz de "viver o discurso". Não se pode professar ser um membro praticante de uma determinada fé, e então se comportar de modos inconsistentes com os ensinamentos.

O Perdão é um Ato do Coração.

12 - O ser não espiritualizado acredita que há limitações verdadeiras no mundo e que embora possa haver alguma evidência para a existência de milagres, eles são percebidos como acontecimentos ao acaso para alguns afortunados.

 O ser espiritualizado acredita em milagres e na sua própria habilidade de receber orientação amorosa e vivenciar um mundo de mágica verdadeira. O ser espiritualizado sabe que os milagres são muito reais. Ele acredita nas forças que criaram os milagres, pois outras ainda estão presentes no universo, podendo entrar em ligação com elas.

O ser não espiritualizado vê os milagres com uma luz totalmente diferente. Ele acredita que eles sejam acidentais, e, portanto, não tem fé em sua própria habilidade de participar do processo de criar milagres.

Conclusão: A espiritualidade requer muito pouco de vocês. Ela não é difícil de compreender nem requer qualquer treinamento longo ou doutrinação da sua parte. Tornar-se um ser espiritualizado ocorre dentro deste eu invisível sobre o qual eu estive escrevendo. Não obstante a como vocês escolheram ser até agora, trabalhar para se tornar um ser espiritualizado pode ser a sua escolha hoje. Vocês não têm que adotar quaisquer doutrinas religiosas específicas ou passarem por uma transformação religiosa em que vocês simplesmente tenham que decidir que este é o modo que vocês gostariam de viver pelo resto de sua vida. Com este tipo de compromisso interior vocês estão em seu caminho.

É importante reconhecer que a verdadeira mágica está indisponível àqueles que escolheram a vida não espiritualizada. Ser capaz de fazer com que os milagres aconteçam é fundamentalmente um resultado de como vocês escolhem se alinhar, como escolhem usar a sua mente, e quanta fé vocês têm para serem capazes de usá-la para afetar o seu mundo físico."

Este artigo foi extraído de: A VERDADEIRA MÁGICA, pelo Dr. Wayne Dyer, CRIANDO MILAGRES NA VIDA DIÁRIA, do Dr. Wayne Dyer.

2008 Dr. Wayne W. Dyer. Todos os Direitos Reservados

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Síndrome da vítima!

Sindrome da Vitima - 

A INCAPACIDADE DE ACEITAR O MUNDO COMO ELE É...

"Todo o comportamento humano decorre da concepção que nós temos da realidade e nessa realidade existem dois pólos bastante distintos: aquilo que nós somos e aquilo que nos cerca.

Nossa postura na vida depende do modo como estabelecemos essa relação: a relação entre nós e os outros, entre nós e os membros da nossa família, entre nós e outros membros da sociedade, entre nós e as coisas, entre nós e o trabalho, entre nós e a realidade externa.

A nossa maneira de sentir e de viver depende de como cada um de nós interioriza a relação entre essas duas partes da realidade. E uma das formas que aprendemos de nos relacionarmos com os outros é a postura que designamos por vítima.

O que é a vítima?

A vítima é a pessoa que se sente inferior à realidade, é a pessoa que se sente esmagada pelo mundo externo, é a pessoa que se sente desgraçada face aos acontecimentos, é aquela que se acostuma a ver a realidade apenas em seus aspectos negativos. Ela sempre sabe o que não deve, o que não pode, o que não dá certo.

Ela consegue ver apenas a sombra da realidade, paralelo a uma incrível capacidade para diagnosticar os problemas existentes. Há nela uma incapacidade estrutural de procurar o caminho das soluções e, neste sentido, ela transfere os seus problemas para os outros; transfere para as circunstâncias, para o mundo exterior, a responsabilidade do que está lhe acontecendo.

Esta é a postura da justificativa. Justificar-se é o sinal de que não queremos mudar. Para não assumirmos o erro, justificamo-nos, ou seja, transformamos o que está errado em injusto e, de justificativa em justificativa, paralisamo-nos, impedimo-nos de crescer.

A vítima é incompetente na sua relação com o mundo externo. Enquanto colocarmos a responsabilidade total dos nossos problemas em outras pessoas e circunstâncias, tiraremos de nós mesmos a possibilidade de crescimento. Em vez disso, vamos procurar mudar as outras pessoas. 

Este tipo de postura provém do sentimento de solidão. É quando não percebemos que somos responsáveis pela nossa própria vida, por seus altos e baixos, seu bem e seu mal, suas alegrias e tristezas; é quando a nossa felicidade se torna dependente da maneira como os outros agem.

E como as pessoas não agem segundo nosso padrão, sentimo-nos infelizes e sofredores. Realmente, a melhor maneira de sermos infelizes é acreditarmos que é à outra pessoa que compete nos dar felicidade e, assim, mascaramos a nossa própria vida frente aos nossos problemas.

A postura de vítima é a máscara que usamos para não assumirmos a realidade difícil, quando ela se apresenta. É a falta de vontade de crescer, de mudar‚ escondida sob a capa da aparição externa. Essa é uma das maiores ilusões da nossa vida: desejarmos transferir para a realidade que não nos pertence, sobre a qual não possuímos nenhum controle, as deficiências da parte que nos cabe.

Toda relação humana é bilateral: nós e a sociedade, nós e a família, nós e o que nos cerca. O maior mal que fazemos a nós próprios é usarmos as limitações de outras pessoas do nosso relacionamento para não aceitarmos a nossa própria parte negativa.

Assim, usamos o sistema como bode expiatório para a nossa acomodação no sofrimento. A vítima é a pessoa que transformou sua vida numa grande reclamação. Seu modo de agir e de estar no mundo é sempre uma forma queixosa, opção que é mais cômoda do que fazer algo para resolver os problemas.

A vítima usa o próprio sofrimento para controlar o sentimento alheio; ela se coloca como dominada, como fraca, para dominar o sentimento das outras pessoas. O que mais caracteriza a vítima é a sua falta de vontade de crescer.

Sofrendo de uma doença chamada perfeccionismo, que é a não aceitação dos erros humanos, a intolerância com a imperfeição humana, a vítima desiste do próprio crescimento. Ela se tortura com a idéia perfeccionista, com a imagem de como deveria ser, e tortura também os outros relativamente àquilo que as outras pessoas deveriam ser.

Há na vítima uma tentativa de enquadrar o mundo no modelo ideal que ela própria criou, e sempre que temos um modelo ideal na cabeça é para evitarmos entrar em contato com a realidade.

A vítima não se relaciona com as pessoas aceitando-as como são, mas da maneira que ela gostaria que fossem. É comum querermos que os outros sejam aquilo que não estamos conseguindo ser, desejar que o filho, a mulher e o amigo sejam o que nós não somos.

Colocar-se como vítima é uma forma de se negar na relação humana. Por esta postura, não estamos presentes, não valemos nada, somos meros objetos da situação. Querendo ser o todo, colocamo-nos na situação de sermos nada.

Todavia, as dificuldades e limitações do mundo externo são apenas um desafio ao nosso desenvolvimento, se assumirmos o nosso espaço e estivermos presentes.

Assim, quanto pior for um doente, tanto mais competente deve ser o médico; quanto pior for um aluno, mais competente deve ser o professor.

Assim também, quanto pior for o sistema ou a sociedade que nos cerca, mais competentes devemos ser com pessoas que fazem parte desta sociedade; quanto pior for nosso filho, mais competentes devemos ser como pai ou mãe; quanto pior for a nossa mulher, mais competentes devemos ser como marido; quanto pior for nosso marido, mais competentes devemos ser como esposa, e assim por diante.

Desta forma, colocamo-nos em posição de buscar o crescimento e tomamos a deficiência alheia como incentivo para nossas mudanças existenciais. Só podemos crescer naquilo que nós somos, naquilo que nos pertence.

A nossa fantasia está em querermos mudar o mundo inteiro para sermos felizes. Todos nós temos parte da responsabilidade naquilo que está ocorrendo. Não raras vezes, atribuímos à sociedade atual, ao mundo, a causa de nossas atribulações e problemas. Talvez seja esta a mais comum das posturas da vítima: generalizar para não resolver.

Os problemas da nossa vida só podem ser resolvidos em concreto, em particular. Dizer, por exemplo, que somos pressionados pela sociedade a levar uma vida que não nos satisfaz, é colocar o problema de maneira insolúvel.

Todavia, perguntar a nós mesmos quais são as pessoas que concretamente estão nos pressionando para fazer o que nos desagrada, pode ajudar a trazer uma solução. Só podemos lidar com a sociedade em termos concretos, palpáveis.

Conforme nos relacionamos com cada pessoa, em cada lugar, em cada momento, estamos nos relacionando com a sociedade, porque cada pessoa específica, num determinado lugar e momento, é a sociedade para nós naquela hora.

Generalizamos para não solucionarmos, e como tudo aquilo que nos acontece está vinculado à realidade, todas as vezes que quisermos encontrar desculpas para nós basta olhar a imperfeição externa. 

Colocar-se como vítima é economizar coragem para assumir a limitação humana, é não querer entender que a morte antecede a vida, que a semente morre antes de nascer, que a noite antecede o dia.

A vítima transforma as dificuldades em conflito, a sua vida num beco sem saída. Ser vítima é querer fugir da realidade, do erro, da imperfeição, dos limites humanos. Todas as evidências da nossa vida demonstram que o erro existe, existe em nós, nos outros e no mundo.

Neurótica é a pessoa que não quer ver o óbvio. A vítima é uma pessoa orgulhosa que veste a capa da humildade. O orgulho dela vem de acreditar que ela é perfeita e que os outros é que não prestam.

Crê que se o mundo não fosse do jeito que é‚ se sua esposa não fosse do jeito que é‚ se seus filhos não fossem do jeito que são, se o seu marido fosse diferente, ela estaria bem, porque ela, a vítima, é boa, os outros é que têm deficiências, apenas os outros têm que mudar.

A esse jogo chama-se o "Jogo da Infelicidade". A vítima é uma pessoa que sofre e gosta de fazer os outros sofrerem com o sofrimento dela, é a pessoa que usa suas dificuldades físicas, afetivas, financeiras, conjugais, profissionais, não para crescer, mas para permanecer nelas e, a partir disso, fazer chantagem emocional com as outras pessoas. 

A vítima é a pessoa que ainda não se perdoou por não ser perfeita e transformou o sofrimento num modo de ser, num modo de se relacionar com o mundo.

É como se olhasse para a luz e dissesse: "Que pena que tenha a sombra...", é como se olhasse para a vida e dissesse: "Que pena que haja a morte...", é como se olhasse para o sim e dissesse: "Que pena que haja o não...". E se nega a admitir que a luz e a sombra são faces de uma mesma moeda, que a vida é feita de vales e de montanhas. 

Não são as circunstâncias que nos oprimem, mas, sim, a maneira como nos posicionamos diante delas, porque nas mesmas circunstâncias em que uns procuram o caminho do crescimento, outros procuram o caminho da loucura, da alienação.

As circunstâncias são as mesmas, o que muda é a disposição para o alvorecer e para o desabrochar, ou para murchar e fenecer."
Autor: Antônio Roberto Soares/Psicólogo
http://telepatas.ning.com/forum/topic/

Fonte: O despertar de uma alma